Identidade e Gênero

O trabalho realizado com as crianças deve ser refletido, estudado, planejado e discutido, pois muitas vezes em nossas ações cotidianas, como educadores, acabamos por reforçar preconceitos e estereótipos. É preciso propor as crianças reflexões do que é ser menino e o que é ser menina, e juntamente com elas desconstruir mitos sobre esse tema, já que estas questões na Educação Infantil, segundo Cruz (2010, p-76) 



[...apontam a existência de preconceitos e dificuldades na esfera das relações de gênero, pois, frequentemente os modelos de masculino e feminino apresentados as crianças são estereotipados e marcados por concepções culturalmente cristalizadas.

(Trecho retirado da postagem de 01.04.2013) 



Descrição :

 
Colocamos os personagens criados pelas crianças na lousa e perguntamos o que os identificava como menino ou menina. As crianças relataram o que sabiam e escrevemos na lousa com o giz de cor verde. Disseram, por exemplo, que meninas usam roupas cor-de-rosa, usam vestido e brincam de casinha e boneca e que não podem brincar de futebol. Sobre os meninos foram taxativos em afirmar que não podiam usar a cor rosa e nem pensar em brincar de casinha ou boneca Falaram também que meninas tem cabelo comprido e os meninos cabelos curtos.



Fizemos então novamente uma roda de conversa sobre o que caracterizava os meninos e as meninas, mostramos imagens de pessoas diferentes pelo mundo e repensaram sobre o que tinham falado. Então novos itens foram acrescentados com o giz laranja e as crianças fizeram um desenho de um menino e de uma menina. Depois dessa discussão todas as crianças brincaram de casinha e futebol e ouviram a história “Ceci tem Pipi”.(Bibliografia recomendada na postagem de:02.04.2013



Objetivos:




Fazer com que as crianças pensem o que diferencia meninos e meninas e o porque dessas diferenças.

Evitar que as crianças reproduzam comportamentos sexistas e percebam que ser menino ou menina depende da cultura e do momento histórico em que estão inseridos

Provocar discussões e momentos em que as crianças possam se expressar dizendo o que pensam ampliando seu vocabulário e seu repertório

Avaliação:


As crianças reproduziram em sua fala, na primeira roda de conversa, todos os estereótipos que estão presentes em nossa sociedade, ou seja, reproduziram o que lhes foram dito pelos pais, comunidade, amigos e porque não a escola que muitas vezes só reforça ainda mais esse comportamento.


Mas ao mesmo tempo que pareciam muito seguras do que diziam se mostraram abertas a pensar de outra forma, quando problematizamos algumas situações hipotéticas ou quando mostramos as imagens para elas. Reformularam seus pensamentos principalmente as meninas que se mostraram felizes em poder jogar futebol, brincadeira na qual são excluídas pela inabilidade com a bola (pelo fato de nunca terem sido estimuladas em sua maioria). Os meninos por sua vez ainda mostravam-se resistentes quando foram convidados a brincar de casinha, não foram todos, entretanto alguns ficaram muito bravos com a proposta.

Ao ouvirem a história, deram muitas risadas, porém prestaram muita atenção, mostrando o quanto era significativa naquele momento.

Para desenhar foi um desafio, pois as crianças geralmente só desenham o gênero ao qual pertence e o resultado dele foi muito satisfatório para todos.

Algumas imagens mostradas para as crianças

                                          O que as crianças disseram sobre as meninas
                                          O que disseram sobre os meninos
                                          Como ficou o texto após atividades de intervençáo
                                          Texto após intervençáo
Registro no painel da sala


Meninos e meninas brincando de casinha e boneca





Meninas e meninos brincando de chute a gol





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grafismo Infantil - Estágios do desenho segundo Lowenfeld e Luquet

O Material Não Estruturado